Assine

Pesquisa é o único modo de extinguir mitos sobre vacinação de pets

Profissional garante que não existe um esquema vacinal único a cães e gatos

Cláudia Guimarães, da redação

claudia@ciasullieditores.com.br

Em 1798, o médico Edward Jenner desenvolveu, de forma bastante empírica, a vacinação, após uma propagação da varíola na Europa. Os resultados de seus estudos e experiências foram divulgados no tratado “Investigação sobre a causa e os efeitos da varíola vacum”. O feito foi recebido com insegurança por alguns médicos, porém, outros utilizaram a mesma ideia, misturando materiais a fim de alcançar a imunização para outras doenças.

Conforme explica a médica-veterinária Valéria Maria Lara Carregaro, o princípio fundamental da vacinação é a administração de um patógeno morto ou de proteínas desse patógeno, com o intuito de desenvolver uma resposta imunológica eficaz. “A memória imunológica é um dos pontos principais quando queremos entender como funciona o esquema vacinal. Tudo que entendemos hoje sobre o tema, antes de entendê-lo, temos que saber como acontece essa memória”, atesta.

Sobre isso, ela explana que, em cães e gatos, bem como nos seres humanos, a célula B que foi diferenciada e que não morreu após o término do antígeno, continua produzindo anticorpos após o fim da resposta imunológica. “Esse é um tema importante do ponto de vista de imunologia, porque, até hoje, ninguém sabe como as células B são mantidas, porque a ideia é: uma vez que o antígeno que estava presente no organismo acabar, as células da resposta imunológica entram em apoptose. Porém, as células B continuam lá”, discorre.

imunecao
Todos os pets, independente da região geográfica
em que se encontram, devem receber as
vacinas essenciais (Foto: reprodução)

Essa memória imunológica é importante, segundo Valéria, porque, por meio dela, é possível determinar a duração mínima da resposta imune vacinal e, consequentemente, administrar três doses nos animais, com intervalo de um ano entre elas, além do reforço após 12 meses a fim de estimular a memória imunológica. “O principal aspecto relacionado à memória imunológica é, justamente, o fator referente ao patógeno que foi utilizado na vacina. Se for um patógeno que não estimule a resposta imunológica eficientemente, provavelmente, a memória será menor”, expõe.

A profissional lembra que as vacinas são classificadas, pelo menos, em dois tipos: as essenciais e as não essenciais. Além delas, há aquele tipo de vacinação chamado de não recomendado e aquele que nem foi considerado. “As vacinas não recomendadas são aquelas que não existem evidências científicas para justificar o uso, normalmente só são empregadas em alguns lugares, de acordo com o risco do animal contrair a doença ou não. As não consideradas são, por exemplo, para leishmaniose, babesiose canina, giárdia e herpes canina, que não são recomendadas pelo Guia de Diretrizes de Vacinação, da Associação Veterinária Mundial para Animais de Pequeno Porte (Wsava, Ontário/Canadá), porque não constam evidências de que induzam uma resposta efetiva, além de serem restritas e licenciadas apenas a alguns locais.

Todas as vacinas brasileiras, como revela a veterinária, possuem o coronavírus, mas esse vírus não é recomendado atualmente porque não causa uma doença grave, sendo uma enfermidade de cunho leve e alto limitante. “Também há questionamentos sobre se a vacina protege contra o vírus e se o coronavírus canino é um patógeno primário. A vacina de corona não é indicada àquele animal que já possui anticorpo, porque é uma doença autoimune, então se realizarmos a administração da vacina, ele terá o desenvolvimento do quadro clínico da doença, como é o caso da Peritonite Infecciosa Felina (PIF)”, conta.

Levantamento. Quando a profissional começou a estudar o tema “Mitos e verdades sobre a vacinação em cães e gatos”, enviou, para seus colegas veterinários, a pergunta ‘O que você entende por lenda e realidade dentro da vacinação?’. “Uma das coisas mais ditas foi: ‘Não aguento mais responder isso aos tutores, mas essa é uma questão frequente na clínica: ‘vacinei meu cão e ele ficou doente’”, narra e atesta que essa é uma realidade que ocorre com certa frequência na clínica.

mitos
Valéria possui vasta experiência na área de
Medicina Veterinária Preventiva e
Microbiologia Aplicada (Foto: C&G VF)

Então, a questão é: por que existe tanto insucesso no sistema vacinal? “O principal responsável por levar falhas vacinais a cães e gatos são os anticorpos maternos, transferidos quando o pet absorve o colostro. Desde 1982, pelo menos, já se sabe que essas proteínas interferem diretamente na resposta vacinal, inclusive, além de interferirem, não são protetoras. “Por conta disso, é um engano pensarmos que muitos animais estarão protegidos nesse momento. Na verdade, esses anticorpos só estão ali para causar problema na vida do veterinário, porque eles não protegem, não deixam o pet responder como deveria e ainda podem desencadear uma série de eventos se o animal tiver contato com vírus”, avalia e relata que esses anticorpos acabam a partir de 8 a 12 semanas pra cães e gatos, mas nem todos os animais estarão zerados no mesmo tempo. “É individual, normalmente, é por volta desse período”, adiciona.

Outro aspecto importante sobre o assunto, levantado pela profissional, é a janela de imunidade, ou seja, o período de tempo em que o filhote pode ser infectado por um vírus de campo e que a vacinação não conseguiu imunizar. “É essencial pensar nisso com os animais de abrigo ou quando um animal será introduzido em um local onde já teve a doença e há um número grande de pets que ele terá contato. Em vacina de vírus vivo modificado com títulos alto e de baixa passagem, a janela de imunidade é abaixo de duas semanas. Já a vacina de vírus vivo modificada com títulos baixos induzem respostas protetivas por volta de dez a 12 semanas. A maioria das vacinas disponível no mercado brasileiro é de vírus vivo modificado com altos títulos e de baixa passagem, então, teoricamente, nossos animais estão protegidos em menos de duas semanas após a vacinação”, aponta.

Falta pesquisa. Valéria admite que há poucas descobertas sobre a imunidade dos gatos. “Estamos, ainda, patinando em tudo que é relacionado ao sistema imune dos felinos, mas, sobre anticorpos maternos, independentemente da vacina utilizada, se é ativa, morta ou vírus vivo modificado, na presença de altos títulos de anticorpos maternos ocorre uma resposta imunológica mais tardia e que, provavelmente, na primeira dose da vacina, o animal estará susceptível à doença, porque os anticorpos maternos são neutralizados pela vacina”, diz.

Para ela, o grande mito sobre vacinação é a ideia fixa de que existe um esquema vacinal único e perfeito. “Não existe. Dependendo do momento, do risco, da condição do animal e do status sócio econômico do tutor, devemos ponderar qual o melhor esquema para aquele animal, para aquela situação e para aquela realidade”, garante.

Hoje, existe, como mencionado pela profissional, uma linha de raciocínio que ainda não é consenso, de que o ideal para obter o esquema vacinal é realizar a sorologia do animal, tanto antes do esquema vacinal primário, como antes das revacinações. “Essa seria a melhor maneira de decidirmos qual o momento certo de indicar a vacina, averiguar se o animal respondeu adequadamente e identificar o momento de realizar uma nova dose de reforço”, opina.

Verdade ou mentira? “Administrei a vacina contra parvo e o filhote ficou doente”. Valéria explica que, antigamente, eram comuns casos de reversão à virulência e, hoje, é um evento raro. “Um exemplo é o de cães que, após receberem a vacina de parvovirose, apresentaram gastroenterite. Desenvolveram esse quadro porque estavam entubando o próprio vírus, possuíam outro enteropatógeno associado ou foram submetidos à mudança de dieta brusca. É um mito dizer que essa vacina causa gastroenterite ou parvovirose”, assegura.

imunegato
O local recomendado para vacinação em felinos
é a pata, por conta de possíveis surgimentos
de neoplasias (Foto: reprodução) 

“Comprei um rottweiler e me falaram que ele pode morrer de parvovirose”. Como declara a profissional, o pet pode vir a óbito por conta da doença mesmo tomando 20 doses da vacina apenas se for responsivo. Existe comprovação de várias linhagens genéticas de cães e gatos que não são responsivos à vacina, do mesmo jeito que alguns estudantes de Medicina Veterinária que recebem a imunização contra raiva não respondem. No caso dos cães, não adianta o veterinário prometer um esquema mágico que deixará o animal protegido. Se ele for de uma linhagem que não responde, estará susceptível”, afirma.

“Raça é um fator de risco para parvovirose”. Como indicado por Valéria, não existem comprovações científicas sobre isso, o que existe é uma maior susceptibilidade quando o animal é puro de raça ou quando ele é misto. “Então, qual seria a solução para um cão que tem uma raça mais predisposta? Principalmente no rottweiler, constituir a sorologia e mostrar para o tutor que o pet não respondeu à vacina e, assim, terá que ficar um bom tempo isolado, sem ir para uma praça pública ou hotel, porque, talvez, ele não tenha, realmente, imunidade”, alerta e adiciona os dobermans a este grupo.

“Tenho medo de aplicar a vacina para leucemia e raiva em gatos, porque ela dá câncer”. Há possibilidade, de acordo com a especialista, dessas vacinas causarem sarcoma de aplicação, porém, já se sabe que esses animais que possuem sarcoma pós vacina também podem desenvolvê-lo por qualquer aplicação, inclusive após ministração do chip. “Há controvérsias sobre a vacinação como a culpada, principalmente sobre a afirmação de que as vacinas inativadas são causadoras de sarcomas porque contém adjuvantes. No entanto, isso não é comprovado cientificamente. O gatilho para a formação do tumor é a inflamação crônica que a aplicação acaba causando. Por isso, o local recomendado, atualmente, para fazer vacina em felinos é a pata. Desse modo, caso apareça alguma neoplasia, amputamos o membro”, orienta.

Considerações essenciais. A profissional defende que não há necessidade de aplicar o mesmo esquema vacinal dos filhotes nos pets mais velhos. “Recomenda-se, no máximo, duas vacinas e, depois, revacinações anuais, não mais do que isso”, salienta. No caso dos felinos, especificamente aqueles que vivem em apartamento, depende do risco: “Se o gato passeia pelo condomínio e tem contato com outros, o tutor deve continuar com o esquema vacinal, anualmente. Mas se o pet é adulto e não sai desde que entrou no apartamento, longe de outros gatos, pode ser imunizado a cada três anos, como o indicado pelo Guia da Wsava.

O sucesso da vacina, para Valéria, só é possível se os veterinários alcançarem conhecimento básico das principais causas de falhas vacinais e sobre o uso da sorologia para variar resposta imune e, assim, decidir qual o melhor momento das vacinas. “Eu concordo que, talvez, a melhor forma de elaborar um esquema vacinal é com o uso da sorologia, tanto para vacinar, quanto para revacinar. Também acredito que temos que vencer os paradigmas por meio de pesquisa, porque se não tivermos respaldo científico, não podemos concluir se é mito ou verdade. Conhecimento técnico é a melhor forma de evitar o que chamamos de mito”, finaliza.

Seja o primeiro a comentar
Seu comentário foi enviado. Aguarde aprovação.
Erro ao enviar o comentário. Por favor, preencha o captcha e tente novamente.