Assine

Cães podem melhorar a saúde do coração dos tutores, segundo estudo

Além disso, pesquisadores mencionam melhorias na saúde mental e física

Tutores de cães são mais propensos a ter uma melhor saúde do coração. Quem afirma são os cientistas de uma pesquisa publicada na revista Mayo Clinic Proceedings envolveu 1.769 pessoas com idades entre 25 e 64 anos que moram na cidade de Brno, na República Tcheca. Os participantes tinham coração saudável e forneceram informações, incluindo IMC, dieta, níveis de atividade física, se fumavam, pressão arterial, colesterol e nível de açúcar no sangue em jejum. Do total, cerca de 42% possuíam um animal de estimação: 24% possuíam um cachorro, enquanto 17,9% outro tipo de animal. 

A equipe utilizou o teste do sistema de pontuação cardíaca da American Heart Association, que analisa sete fatores de risco variáveis ​​da saúde cardiovascular, para avaliar os participantes, que incluem: pressão arterial, colesterol, açúcar no sangue, exercício, dieta, peso e tabagismo. 

Os proprietários de cães eram mais propensos a se exercitar, ter uma dieta ideal e nível de glicose no sangue do que aqueles que não o fizeram. No entanto, eles também eram mais propensos a fumar. Ainda assim, no geral, eles pontuaram melhor no teste de saúde cardiovascular. O estudo ainda adiciona evidências existentes que vinculam a posse de cães a melhor saúde mental e física. 

A co-autora do estudo, Andrea Maugeri, pesquisadora do Centro Internacional de Pesquisa Clínica do Hospital Universitário St. Anne's e da Universidade de Catania, na Itália, comentou: "Os maiores benefícios de ter um animal de estimação foram aqueles que possuíam um cachorro, independentemente de idade, sexo e nível de escolaridade". 

Segundo Andrea, a pesquisa sugere que conseguir um cão pode ser uma maneira útil de melhorar a saúde do coração, se incentivar o proprietário a se exercitar mais. Tais intervenções podem ser uma maneira importante de combater a prevalência de doenças cardíacas. “Nos EUA, elas são a principal causa de morte, matando cerca de 610 mil pessoas a cada ano”, revela. 

O investigador sênior Francisco Lopez-Jimenez, presidente da Divisão de Cardiologia Preventiva da Clínica Mayo em Rochester, disse que possuir cães já havia sido associado a uma melhor saúde mental e a se sentir menos solitário, o que diminui o risco de ataques cardíacos. Um estudo publicado no ano passado na revista BMC Psychiatry, analisando 17 artigos existentes, concluiu que ter um animal de estimação poderia aliviar os sintomas de doença mental. Outro artigo publicado na revista Scientific Reports, em 2017, também vinculou cães de estimação com menor risco de doença cardiovascular e menor risco geral de morte. 

O veterinário e professor de Epidemiologia Molecular, da Universidade Uppsala da Suécia, co-autor do artigo Scientific Reports, Tove Fall, comenta que essa pesquisa é interessante, pois estuda a combinação de diferentes fatores de risco cardiovascular e não apenas fatores de risco únicos. "Uma limitação do estudo é que é transversal, o que significa que não investigou se os cães ou fatores de risco ocorreram primeiro, ou seja, poderia ser para que as pessoas que já têm um estilo de vida saudável sejam mais propensas a adquirir um cão", analisa. 

Fonte: Newsweek, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

Seja o primeiro a comentar
Seu comentário foi enviado. Aguarde aprovação.
Erro ao enviar o comentário. Por favor, preencha o captcha e tente novamente.