Assine

CRMV-SP orienta sobre boas práticas com cães e gatos durante o verão

Médicos-veterinário separa dicas de cuidado com os pets nesta época do ano

O verão vem, a cada ano, surpreendendo pelas altas temperaturas e, com o aumento do calor, também devem ser maiores os cuidados com os pets nesse período. Se os dias quentes são convidativos a passeios ao ar livre, viagens e brincadeiras na praia e com água, o bem-estar do pet requer atenção dos tutores.

Pensando no bem-estar dos animais domésticos, o médico-veterinário Rodrigo Mainardi, conselheiro e membro da Comissão de Clínicos de Pequenos Animais, do Conselho Regional de Medicina Veterinária de São Paulo (CRMV-SP), indica oito cuidados para que a saúde de cães e gatos não seja afetada.  

Uma das recomendações dos médicos-veterinários é evitar caminhadas e passeios nos horários mais quentes, quando o sol está alto. É importante lembrar que a temperatura da calçada e do asfalto é muito maior que do ar e pode causar lesões graves por queimadura nos coxins (as “almofadinhas das patas”). 

1601

O pet não deve ingerir água da piscina, pois é carregada de cloro e outras substâncias químicas prejudiciais à saúde (Foto: reprodução)

Outro ponto importante é a hidratação. De acordo com Mainardi, os animais precisam ingerir, no mínimo, 60 ml de água por quilo de peso por dia. “Ou seja, um animal de 5 kg deve ingerir, no mínimo, 300 ml de água limpa e, de preferência, fresca por dia. Uma dica é colocar cubos de gelo nos potes de água para mantê-la fresquinha por mais tempo”, diz.

É comum em dias quentes que o animal diminua o apetite e passe a comer menos. A recomendação é escolher um horário do dia mais fresco para a oferta da comida. O tutor precisa ficar atento se o animal manifesta fome, mas rejeita a ração. Outro risco são os passeios de carro. É comum os tutores deixarem os animais dentro do carro fechado, sem ventilação. “A hipertermia (aumento da temperatura corporal) pode levar a uma queda de pressão e o pet pode desmaiar ou até mesmo sofrer uma parada cardíaca”, alerta Mainardi.
  
Para quem tem piscina em casa, o verão pede brincadeiras refrescantes. O alerta nesse caso é em relação à ingestão da água da piscina, que é carregada de cloro e outras substâncias químicas prejudiciais à saúde do pet. Gatos gostam de água corrente. Além da troca constante da água do bebedouro para ficar sempre fresquinha, pode se ter uma pequena fonte para ambiente interno que servirá de incentivo ao consumo.

O profissional lembra que se o animal tiver pelo longo, pode-se tosar o cão para deixá-lo mais confortável. No calor, tende-se a dar banhos com mais frequência, ou brincar com os animais de mangueira ou de piscina.

Atualmente, o Brasil é um País endêmico para a leishmaniose, segundo Organização Mundial da Saúde (OMS). A doença é transmitida por um mosquito. “Se picado, o animal torna-se uma fonte de infecção dentro de casa", alerta o médico-veterinário do CRMV-SP. A prevenção, além da constante higiene do local, inclui o uso de coleiras repelentes contra o mosquito e vacinas.

Outra doença bastante preocupante é a dirofilariose, que infecta os cães pela picada de outro mosquito. Também conhecida como “verme do coração”, esta enfermidade é muito comum em cidades litorâneas e de clima quente, sendo que São Paulo está entre as regiões com maior prevalência do parasita Dirofilaria immitis.

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

Seja o primeiro a comentar
Seu comentário foi enviado. Aguarde aprovação.
Erro ao enviar o comentário. Por favor, preencha o captcha e tente novamente.